Pages

Banner 468 x 60px

 

terça-feira, 23 de novembro de 2010

Bolsonaro volta a polemizar e defende agressão a "filho meio gay"

2 comentários

O deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ), na foto já é conhecido no meio político como polemizador. Conservador e reacionário, ligado aos saudosistas da ditadura, ele vive causando polêmica com suas declarações contra os direitos humanos. São tantas declarações polêmicas que Bolsonaro nem é mais levado a sério entre os colegas. Desta vez, o comentário infeliz do deputado teve como alvo os homossexuais. Bolsonaro sugeriu que os pais deveriam bater nos filhos com tendências homossexuais.

A declaração foi feita durante o programa "Participação Popular", da TV Câmara. Os deputados Jair Bolsonaro e Paulo Henrique Lustosa (PMDB/CE), presidente da Frente Parlamentar da Criança e do Adolescente, discutiam sobre a Lei da Palmada, quando Bolsonaro disse: "O filho começa a ficar assim meio gayzinho, leva um coro, ele muda o comportamento dele. Olha, eu vejo muita gente por aí dizendo: ainda bem que eu levei umas palmadas, meu pai me ensinou a ser homem".

O telespectador Alexandre, de Minas Gerais, que denunciou a declaração do deputado ao Vermelho, ficou indignado com o preconceito escancarado do parlamentar: "O deputado afirma que palmada corrige a orientação sexual de uma pessoa, sugerindo que ser gay seria algo anormal e motivo sufiente para ser agredido", protesta Alexandre.

Ataque de militar a homossexual é condenado pelo Exército
A declaração escandalosa de Bolsonaro - que tem sua principal base eleitoral entre as famílias de militares do Rio de Janeiro - acontece no mesmo dia em que o comandante do Forte de Copacabana, coronel Afonso Henrique Pedrosa, teve que vir a público condenar a atitude do sargento do exército Ivanildo Ulisses Gervásio que atirou contra um jovem de 19 anos, após Parada Gay no Rio de Janeiro, na última segunda-feira (15).

Em entrevista nesta sexta-feira ao RJTV, Pedrosa disse que o Exército brasileiro não admite em seus integrantes qualquer conduta homofóbica ou discriminação ao ser humano.


Fonte: Vermelho

2 comentários:

Fabinho disse...

E ainda votam nesse deputado de merda...

Anônimo disse...

Intolerante e iracundo.Igual ao falso-moralista do Malafaia com sua pernosticidade e seu discurso verborrágico e preceituador de incitatividades ao ódio.Bolsonaro atroz e desumano.Parlamentar jurásico.

Postar um comentário