Pages

Banner 468 x 60px

 

quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Email de estudante de medicina de Porto Alegre propõe homofobia em atendimento a gays

1 comentários
ISSO É GRAVE!

Dois alunos de medicina do Centro Acadêmico da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre vieram à público esta semana denunciar um ato de homofobia dentro de uma lista de emails de acadêmicos. Igor Rabuske Araújo, 21 anos, e Alex Vicente Spadini, 19 anos, ambos homossexuais e eleitos para direção do Centro Acadêmico (CA) 22 de março, foram vítimas de uma ameaça homofóbica ao agradecerem os votos dos colegas que os elegeram.

Os dois fazem parte do novo CA do curso ao lado de outros gays que compuseram uma chapa que venceu as eleições na semana passada. Enfrentando brincadeiras como “Chapa 2 é pura purpurina”, o grupo venceu o pleito acadêmico e já enfrenta oposição preconceituosa antes mesmo de tomar posse. Um aluno da turma AD2014, não contente com a eleição, resolveu atacar o grupo eleito, sabidamente composto por alguns gays: “mas eu vos digo, caros e futuros colegas, e se, somente se, a solução fosse cada um de nós, sensatos, tomarmos alguma atitude, qualquer atitude, no momento em que essa escória nos preocupar para curas suas doenças venéreas, e qualquer demais praga que se alastre por seus corpos nojentos? Assim como eles, está na hora de unirmos forças e veladamente, fazer o que nos couber, para dar fim, pouco a pouco nesta peste!”. Ao final do texto ainda há um apelo: “No momento da consulta de uma bicha, ou recuse-se (pelos meios cabíveis em Lei) ou trate-o erroneamente!!!”, incita o autor do texto.

O chamado ainda não teve seu autor identificado. Os alunos procuram o Grupo SOMOS Comunicação, Saúde e Sexualidade que irá protocolar no próximo dia 10 de dezembro, às 15h junto ao Dr. Francesco Conti, Coordenador do Centro de Apoio de Direitos Humanos do Ministério Público Estadual a denúncia e solicitará providências sobre o caso.

“É intolerável que, em dias atuais, universitários tenham um posicionamento tão retrógado e ameacem colocar em risco a segurança e a saúde de homossexuais. Isso demonstra, também, que é urgente a aprovação de uma legislação federal que coíba essa prática homofóbica”, afirma Gustavo Bernardes, coordenador geral do SOMOS.

Fonte: Revista Lado A

1 comentários:

Fabinho disse...

Esse viado enrustido logo, logo vai ser identificado. Anonimato na internet é pura ilusão.

Postar um comentário